Disputa de samba na Imperatriz Leopoldinense será totalmente aberta aos compositores

Mudanças no regulamento acaba com as restrições e atrai sambistas de todo o Brasil.

0
Foto: Nelson Manfacini

A próxima disputa de samba-enredo na Imperatriz Leopoldinense será aberta a todos os compositores interessados pela primeira vez na história. Dessa forma, poetas de outras escolas de samba, filiados a entidades musicais em geral e novos talentos dos mais variados gêneros poderão inscrever suas obras no concurso.

A entrega da sinopse sobre o enredo “O aperreio do cabra que o excomungado tratou com má-querença e o santíssimo não deu guarida”, do carnavalesco Leandro Vieira, acontece no próximo dia 29 de junho, às 20h, na quadra de ensaios localizada em Ramos, Zona Norte do Rio.

“Agora, quem já compõe ou participa de disputas em outras escolas também poderá participar do concurso na Imperatriz. É também uma oportunidade de conhecermos novos talentos. Acreditamos muito nessa mescla. Esse convite se estende a compositores de outros gêneros musicais”, comentou a presidente Cátia Drumond.
“Permitir a participação de autores que não são, obrigatoriamente, membros efetivos da ala de compositores da Imperatriz irá proporcionar uma safra de sambas com maior diversificação rítmica, melódica e poética. Será uma das eliminatórias mais emocionantes e acirradas da história gresilense”, comemora André Bonatte, presidente da ala de compositores.

Fundada em 9 de março de 1959, e reconhecida por ter uma das principais discografias do Carnaval brasileiro, a verde, branco e ouro da da Leopoldina revelou grandes compositores, como Zé Katimba, Guga, Niltinho Tristeza, Preto Jóia e Tuninho Professor. Agora, a Rainha de Ramos quer promover uma disputa plural, unindo a experiência dos compositores da casa com talentos de fora.

As regras e o formato da disputa também serão informados na data da divulgação da sinopse. O enredo de Leandro Vieira se debruça na “peleja” inverossímil e delirante dos cordelistas que, após a morte do cangaceiro Virgulino Ferreira da Silva – o famoso Lampião -, transformaram em jocoso, ficcional e rica literatura o destino pós-morte da mítica personalidade nordestina.

Cordéis populares sobre o tema, como “A chegada de Lampião no inferno”, “O grande debate que teve Lampião com São Pedro” e “A chegada de Lampião no céu” são o mote do brasileiríssimo e rico universo artístico da narrativa proposta pelo artista.

SIGA-NOS INSCREVA-SE VÍDEOS EXCLUSIVOS
Artigo anteriorUnião de Jacarepaguá
Próximo artigoUnidos de Padre Miguel cria a primeira bateria feminina do Carnaval Carioca
redacao@carnavalcarioca.net.br

Deixe uma resposta:

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.