Museu do Samba grava depoimentos de Mestre Casagrande e Chiquinho do Babado

Projeto conta com 160 registros inéditos de grandes sambistas.

0
Foto: Divulgação

Os segredos de uma das mais respeitadas baterias do Carnaval Carioca e os bastidores da construção dos grandes desfiles vão dar a tônica da próxima sessão de depoimentos para o acervo audiovisual do Museu do Samba. Mestre Casagrande, comandante da bateria “Pura Cadência” da Unidos da Tijuca, e Chiquinho do Babado, ex-diretor de barracão da Mocidade Independente de Padre Miguel e um dos maiores comerciantes de artigos carnavalescos da folia, gravaram depoimentos para o projeto “Memória das Matrizes do Samba no Rio de Janeiro”.

Mestre Casagrande é cria da Unidos da Tijuca. Está há 42 anos na agremiação, 39 deles desfilando na bateria. Nos últimos 14 anos, ele tem sido o titular absoluto à frente dos ritmistas, colecionando notas máximas e sendo decisivo na conquista dos campeonatos de 2010, 2012 e 2014 da escola do Morro do Borel. Casão, como também é conhecido, é hoje um dos poucos defensores de que mestres de bateria trabalhem por amor ao pavilhão da escola; é dele também o mérito de resgatar a cadência original da amarelo ouro e azul pavão.

Foto: Divulgação

Chiquinho do Babado tem sua trajetória intimamente ligada à Mocidade Independente de Padre Miguel, onde aportou no fim da década de 1970. Foi diretor de carnaval da escola, descobridor de grandes talentos, como a porta-bandeira Babi, e participou das grandes conquistas da agremiação. Depois Chiquinho tornou-se um dos maiores comerciantes de artigos de Carnaval do país, com a criação da empresa Babado da Folia, até hoje um grande parceiro das escolas de samba e dos presidentes de alas.

Memória das Matrizes do Samba do Rio de Janeiro e ForLar – Maior centro de referência da memória do gênero no Brasil e responsável pelos estudos que levaram à titulação do samba do Rio de Janeiro como Patrimônio Cultural, o Museu do Samba possui um acervo audiovisual com 160 registros inéditos de grandes sambistas. O material é resultado do projeto que documenta histórias e memórias de personalidades do samba e do carnaval – cantores, compositores, mestres de bateria, porta-bandeiras, passistas, entre outras.

O acervo possui relatos de nomes como Nelson Sargento, Monarco, Tia Surica, Haroldo Costa, do lendário mestre-sala Delegado e das porta-bandeiras Selminha Sorriso, Dodô da Portela e Vilma Nascimento. O material está disponível para consulta e pesquisa, mediante agendamento por e-mail.

A série de depoimentos conta com o apoio institucional da ForLar (For Latin American Recovery), instituição internacional sem fins lucrativos que fomenta projetos humanitários e de preservação do patrimônio cultural.

Acesse o nosso canal no TELEGRAM

Artigo anteriorPortela promove ensaio de comunidade no Parque de Madureira
Próximo artigoJuarez Souza é coroado Rei de Bateria da Acadêmicos do Sossego
Locutor nas escolas de samba do RJ, analista de sistemas, jornalista (RG 0039675-RJ), compositor e intérprete. Administrador do site CARNAVAL CARIOCA.