Gogó de Ouro e Léo Fé são os vencedores do Festival de Partido Alto

0
Foto: Diego Mendes

O Museu do Samba realizou na noite do último domingo (29), a final do Festival de Partido Alto. O campeão, foi o samba “Daqueles que ninguém mais canta”, parceria do carioca Gogó de Ouro e do curitibano Léo Fé. A obra foi defendida por Leó, que se apresentou acompanhado do Grupo Tempero Carioca. Os compositores campeões receberam o Troféu Aniceto – nome que homenageia o fundador do Império Serrano, que é referência deste gênero musical, e um prêmio de R$ 1.500,00 em dinheiro.

O segundo lugar ficou com os compositores Haroldo César e Wantuir Cardeal, autores de “Vendendo Tudo”. O terceiro colocado foi o samba “Preto Favela”, de Pâmela Amaro e Marcelo Amaro. Eles também receberam prêmios em dinheiro: R$ 1.000,00 para o segundo e R$ 500,00 para o terceiro.

O festival teve um total de setenta e nove composições inscritas. A iniciativa faz parte do projeto “Partido alto: Renovação e tradição”, desenvolvido pelo Museu do Samba com apoio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e da Secretaria Municipal de Cultura, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS. A final foi transmitida em live pelo Canal Fitamarela, no Youtube.

Confira a apresentação:



Perfil dos vencedores:

Foi assistindo a um documentário sobre Aniceto do Império, aos 15 anos de idade, que Léo Fé teve o primeiro contato com o partido alto. Duas décadas depois, na noite de 29 de agosto de 2021, o compositor curitibano sagrou-se o grande campeão do Festival criado pelo Museu do Samba, no Rio de Janeiro, e levou para casa o Troféu Aniceto – Um prêmio batizado justamente com o nome daquele que o fez trilhar o caminho dos versos improvisados.

“Daqueles que ninguém mais canta” é o título do partido vencedor, uma parceria de Leó com Gogó de Ouro, veterano sambista carioca radicado em Curitiba desde a década de 1980. “A letra surgiu como uma brincadeira após uma roda de compositores, e saiu em dois minutos; Gogó mandou a primeira frase, eu emendei a segunda e assim fizemos um samba para falar sobre e valorizar o partido alto”, conta Léo.

A apresentação do sambista arrebatou os jurados do festival. No palco, Léo apresentou-se no melhor estilo partideiro. “A letra do samba é só refrão, todo o resto foi versado na hora, de improviso”, explicou o vencedor. “Eu não me liguei na vitória, estava feliz só de ter sido escolhido finalista entre 79 sambas e estar presente no palco com essa turma que é referência para mim, como o Marquinho China e o Serginho Procópio”, versar com eles foi uma honra”.

Pode-se dizer que Léo Fé é um militante do samba. Em Curitiba, ele fundou o “Samba do Compositor Paranaense”, que há 11 anos tem sido um espaço para apresentação de composições autorais em rodas de samba semanais – rotina alterada pela pandemia –, que já resultou em um CD (gravado) e tem outro à espera de apoio para ser lançado.

Dez anos atrás, ele criou também o “Samba do Sindicatis” (nome que faz referência ao “jeito Mussum” de falar), definido por Léo como sendo um samba de pesquisa. É uma roda exclusiva para sambas de terreiro que já recebeu referências do gênero como Tantinho da Mangueira, Waldir 59, Monarco e Nelson Sargento. Léo fundou ainda o Boca Negra, um bloco que desfila apenas com sambas de terreiro, “nos moldes dos carnavais de 1920”, segundo o artista.

Gogó de Ouro, por sua vez, é inspiração para várias gerações de sambistas no Paraná – incluindo o próprio Léo Fé. O capoeirista carioca que trocou o Rio por Curitiba e a capoeira pelo samba fez história na capital paranaense e transformou-se na maior referência do samba daquele estado. Gogó de Ouro chegou a ser preso pela polícia por apresentar samba em praça pública e criou na cidade um respeitado festival do gênero, o lendário e tradicional “O Dia Nacional do Samba” – tudo isso na agitada década de 1980. Não é exagero dizer que a história do samba no Paraná se divide em antes e depois da chegada de Gogó de Ouro em Curitiba.

Artigo anteriorEstação Primeira de Mangueira escolhe os finalistas entre seis parcerias
Próximo artigoIrmãs guatemaltecas farão parte do time de musas da Lins Imperial
Locutor nas escolas de samba do RJ, analista de sistemas, jornalista (RG 0039675-RJ), compositor e intérprete. Administrador do site CARNAVAL CARIOCA.

Deixe uma resposta:

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.