Museu do Samba homenageia Maria Helena com o Troféu “Mães do Samba”

Tributo à porta-bandeira integra a programação da 19ª Semana Nacional de Museus.

0
Foto: Divulgação

Lendária porta-bandeira do Carnaval Carioca que inspirou várias gerações de mulheres sambistas, Maria Helena Rodrigues, 76 anos, é a homenageada do projeto “Mães do Samba”, que o Museu do Samba realiza desde 2014, sempre no mês de maio. A estatueta será entregue à sambista no próximo sábado (22), em transmissão realizada pelo canal FitAmarela.

A 8ª edição faz parte da programação da 19ª Semana Nacional de Museus, que o IBRAM – Instituto Brasileiro de Museus, está realizando entre 17 e 23 deste mês.

“Maria Helena é dona de um legado fundamental para a preservação do tradicional bailado dos casais; ela foi exemplo de garra e talento na Passarela do Samba e continua a influenciar porta-bandeiras de diferentes idades”, afirma Nilcemar Nogueira, fundadora do Museu.


A homenageada que estreou na Avenida há 50 anos, recebeu a notícia com muita emoção e bom humor.

“Estou achando muito chique essa homenagem; para mim é importante que os sambistas sejam lembrados enquanto ainda estão vivos. Eu só tenho a agradecer ao Museu do Samba”.

Maria Helena foi seis vezes campeã do Carnaval Carioca pela Imperatriz Leopoldinense e três vezes vencedora do Estandarte de Ouro – prêmio do jornal O Globo considerado o Oscar da folia. Entre 1983 e 2005, ela dançou com seu filho Chiquinho, formando um casal que transformou-se em referência dos desfiles na Sapucaí. A dupla também deu aulas do bailado do casal para crianças da Vila Cruzeiro, comunidade do Complexo da Penha e da Vila Olímpica de Ramos.

Maria Helena nasceu em 1945, em São João Nepomuceno, Minas Gerais, e mudou-se para o Rio em 1960. Em 1971, estreou como porta-bandeira, aos 26 anos de idade, defendendo a Unidos da Ponte. Além da Imperatriz, a sambista teve passagens pelas agremiações cariocas Unidos da Tijuca, Império da Tijuca, União da Ilha do Governador e Alegria da Zona Sul e pela Unidos da Vila Mamona, no Mato Grosso do Sul.

Sobre o Troféu Mães do Samba – Desde 2014, o troféu é entregue pelo Museu do Samba a mulheres que são consideradas referências para a preservação e difusão da identidade do samba carioca, por meio de sua liderança em movimentos culturais e sociais e de sua luta pela valorização dos sambistas. A celebração acontece uma vez por ano, sempre em maio, mês em que se comemora o Dia das Mães.

Nas edições anteriores foram homenageadas sambistas como Tia Surica, Selminha Sorriso, Vilma Nascimento, Dorina, Tia Nilda, Tia Glorinha do Salgueiro, Ângela Nogueira, Dorina, Geisa Kety, Selma Candeia e Tia Gessi, entre outras.

Artigo anteriorUnidos do Viradouro estreia telejornal e entrevista Luma de Oliveira
Próximo artigoSelminha Sorriso e Claudinho, os novos diretores da Beija-flor de Nilópolis
Locutor nas escolas de samba do RJ, analista de sistemas, jornalista (RG 0039675-RJ), compositor e intérprete. Administrador do site CARNAVAL CARIOCA.

Deixe uma resposta:

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.