Império da Uva promete um desfile histórico na Intendente Magalhães

Agremiação faz últimos ajustes para o desfile. Fantasias luxuosas e alegorias que representam Maria Fumaça e Igreja de Nossa Senhora da Conceição são as apostas.

Que rufem os tambores e soem os tamborins! Está quase tudo pronto para o Grêmio Recreativo Império da Uva, literalmente, incendiar a Passarela Popular da Intendente Magalhães em busca do tão sonhado acesso para a Série “B” do Carnaval carioca. Oitava escola a desfilar na segunda-feira de folia, a agremiação aposta na história do município de Queimados para ir em busca do título. Nos últimos retoques das fantasias, que têm o luxo como marca, as alegorias que representam uma Maria Fumaça – alusão à estrada de ferro inaugurada por D. Pedro II – e a igreja Nossa Senhora da Conceição, estão guardadas a sete chaves e são as grandes apostas para o desfile.

Ao todo, a escola levará 700 componentes para a Avenida, entre membros da bateria, passistas e baianas. Logo na comissão de frente, a promessa é de muita emoção. Com grandes dragões chineses, a ala representará os trabalhadores chineses contratados para realizar a construção da via férrea, a famosa Maria Fumaça. Mestre-sala e porta–bandeira também virão juntos da alegoria, a fim de representar a ligação entre Brasil e China, e ainda, simbolizar a união e mistura dos dois povos. E como a história se inicia nos tempos de Brasil monarca, nada como inserir a família real portuguesa, que veio em viagem afirmar progresso e a chegada das lavouras, cafezais e laranjais nas terras queimadenses.

Para a segunda alegoria, o carnavalesco Miro Freitas decidiu mostrar a devoção e a fé que se instaurou na cidade, através da figura da Igreja Nossa Senhora da Conceição, fundada em 1879. Com valor inestimável até os dias de hoje para os queimadenses, a escola fará, com o suporte do carro alegórico, a explicação do nome “Queimados”. Através da ala do “Leprosário”, o enredo contará como era o lugar onde os doentes ficavam naqueles tempos, e que em caso de morte, tinham seus corpos cremados.

Com o enredo feito e escolhido, tem uma pesquisa a ser feita. E depois disso, é um encaixe de detalhes, que são resolvidos através de debates e trocas com toda a equipe. Já estamos com 95% do material pronto, e foi uma grande surpresa, pois percebemos que tinha muita história para contar”, declarou o carnavalesco.

Bateria vai lembrar emancipação.

Já na bateria, “Os senhores da Emancipação” virão para abrilhantar os tempos de luta pela independência de Queimados. Após, virá a ala das passistas, as “damas da noite” e em seguida serão a vez das alas que vão lembrar instituições importantes da cidade, como as quadrilhas “Charles Chaplin e a Roça é Nossa”, as escolas de samba “Unidos do Oriente e São Nicolau”, o Queimados Futebol Clube, na ala “Futebol” e a primeira rádio comunitária do Brasil “Novos Rumos”. O segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira adentram na avenida nesse clima, fazendo alusão aos desafios de uma cidade em crescimento e em busca de credibilidade.

A terceira e última alegoria, que fechará o desfile da escola, mostrará a “Nova Queimados”. Com o carro “Polo Industrial”, a letra fará referência aos empregos, empresas e comércios que se instalaram e fortaleceram a economia da cidade nos últimos anos. E para fechar da forma mais clássica possível, os compositores encerram, tornando assim uma grande homenagem ao povo de Queimados.

O prefeito de Queimados, Carlos Vilela, confirmou presença no desfile e ressaltou o sentimento de orgulho que é ter a história do município contada no Carnaval.

Não tenho dúvidas que será um momento de muita emoção e também de aprendizado. Ter a nossa história contada no Carnaval do Rio é algo que jamais será esquecido e ficará eternizado não só na memória, como em nossos corações. Que sejamos pés-quentes e a Império da Uva consiga o tão sonhado acesso”, concluiu o prefeito.

Comentários

Comentários