Sereno de Campo Grande divulga a sinopse para o Carnaval 2018

G.R.E.S. Sereno de Campo Grande – Carnaval 2018
“Vale a pena verde novo, salvem a natureza”

S I N O P S E

Quando começou era tudo verde, de várias tonalidades, um verde original desta infinita matriz. Foram criados nesta terra florestas, animais, musgos, samambaias e seres aquáticos.

Nas matas floresceu a vida, em cada manancial uma tribo sob a proteção de Jaci, Guaraci e Tupã. Vindo japada o olimpo das nações Tupi e se fez senhor embelezando as mulheres da terra.

Hó Deus do Trovão, tantas bocas de mato, bosques, várzeas e capões onde corria Curumim…

Na floresta nasceu o índio que abraçou o povo negro e deu a liberdade ao branco como refúgio e proteção, destes sertões surgiram quilombos encontraram-se nações, diferentes culturas e o mesmo respeito à vida e a luta, a invasão da cobiça e da devastação.

Na selva, Tupã encontrou outros deuses e os cultos indígenas adormeceram entre o sagrado, o profano e o sincrético.

Com a chegada dos colonizadores, começa a destruição, o progresso a cortar o ar deixando o céu cheio de fumaça negra e o devorador que engole tudo o que vê pela frente é a visão do apocalipse Tupi.

Conforme a ECO’92, a preocupação com os problemas ambientais vem se intensificando a cada ano, pois são necessários acordos para o problema não se agravar.

Porém muitos países desenvolvidos ou em desenvolvimento não colocaram em prática as políticas ambientais elaboradas no evento, intensificando o aquecimento global, entretanto a
degradação do planeta continua.

No dia 05 de novembro de 2015, ocorreu o pior acidente da mineração brasileira no município de Mariana, em Minas Gerais. O rompimento da barragem da Mineradora Samarco provocou uma enxurrada de lama que devastou o distrito de Bento Rodrigues, deixando um rastro de destruição à medida que avança pelo Rio Doce. Várias pessoas desabrigadas sem contar aquelas que perderam a vida na tragédia.

Impactos ambientais

A lama além de causar a morte dos rios, destruir uma grande região ao redor desses locais, a força dos rejeitos arrancou a mata ciliar e o que restou foi coberto pelo material.

Os índios lamentam a tragédia em Minas Gerais “O Rio Doce sabia que ia ser morto”.

Com a chegada das ondas de lama de rejeitos ao município de Resplendor em Minas Gerais, as 126 famílias que vivem na aldeia às margens do manancial, testemunharam a morte de um elemento fundamental da cultura das tribos indígenas, os rios, córregos, mananciais, peixes, animais e o verde já não existem mais. 

Vamos dizer não a devastação, as queimadas, a extinção das aves, animais, peixes, a morte da natureza.

Tupa! Deixe cair a gota de sua lágrima sobre a terra e germinar o verde de novo.

Caipora! Associem-se as matas, florestas e aos animais, aterrorizando e azarando o homem destruidor.

Curupira! Proteja, deixe suas pegadas enganosas para confundir os caçadores.

Anhangá! Proteja a fauna, a flora, afastando os sem escrupulos.

Nanã Buruquê! Senhora dos mangues, dos pântanos, da lama e da morte nos dê o seu socorro.

Oxum! A rainha soberana das águas doces… não deixe que sequem nossas águas, Ora yê yê ô!! O futuro verde começa agora já, e teremos novamente os vários tons de verde.

Senhor Deus manifesta seu amor através do sol, da chuva, do mar, do orvalho, da brisa, das flores, dos pássaros, dos rios e cachoeiras, do amanhecer até o anoitecer.

Cabe a cada um de nós fazer a nossa parte e agradecer a ti e dizer: Vale a pena verde novo, salvem a natureza.

Carnavalesco: Flávio Ribeiro

Glossário:

JACI – Deusa lua, protetora das plantas, dos animais, dos amantes e da reprodução.
GUARACI – A representação do sol.
TUPÃ – Autor, criador do trovão, dos relâmpagos e dos rios.
BOCA DO MATO – Entrada do mato e da floresta.
BOSQUES – Mata, pequena floresta, boscagem.
VÁRZEA – Bagunçado, desorganizado, terreno plano.
CAPÕES – Pequenas porções de matos isolados nos campos.
CURUMIM – Garoto, menino.
QUILOMBO – Local onde abrigavam os negros refugiados, local de refúgio dos escravos.
SAGRADO – Respeito religioso por ter fé.
PROFANO – Que não pertence ao sagrado, que não é religioso, leigo.
SINCRÉTICO – É o produto da fusão de diferentes religiões, seitas ou visão para outra religião.
COLONIZADORES – Pessoas de determinado país ou região que vão para outra região.
APOCALIPSE – Força do mal a vencer a força do bem, o fim do mundo.
MANANCIAIS – São todas as fontes de água, superficiais ou subterrâneas.
ANHANGÁ – Protetor da flora e da fauna.
VORAZ – O devorador, que engole tudo, destruidor.
CÓRREGOS – Um rio pequeno que passa por vários lugares, trilha restrita.

Comentários

Comentários